Muitas crendices envolvem a vacina contra a gripe, saiba a verdade sobre ela

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe precisou ser prorrogada, pois ao final do prazo primeiramente estipulado, de mais de 15 dias, a Campanha havia imunizado apenas 60% do público-alvo. Pesquisa publicada pela FioCruz aponta os principais motivos da baixa adesão: a ideia de que a vacina não é necessária e a crença de que ela provoca reação.

Dr. José Roberto Zimmerman, alergologista e pneumologista, Diretor da Clínica da Alergo ar e Professor do Curso de Pós-Graduação do Serviço de Imunologia e Alergia da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, ressalta a importância da vacina e desmistifica os efeitos colaterais.

Alergo ar - Como funciona a vacina no organismo?

Dr. Zimmerman - O vírus usado na vacina é inativado, por isso não pode transmitir a gripe. Ele está tão fragmentado, que perdeu o potencial infeccioso, mas ainda tem potencial antigênico e, com isso, estimula o desenvolvimento de anticorpos. A pessoa vacinada não corre o risco de contrair a gripe e se torna imune contra o vírus da vacina.

Alergo ar - Quais são as principais doenças que podem surgir com o agravo de uma gripe?

Dr. Zimmerman - A gripe causa uma queda do estado geral e da imunidade. Isso possibilita que a pessoa desenvolva qualquer uma das infecções respiratórias altas, como a otite, a sinusite, a faringite e outras, além de infecções respiratórias baixas como a pneumonia. Isso ocorre principalmente nas faixas etárias extremas, como a das crianças com até dois anos de idade e dos adultos com mais de 60 anos.

A gripe provoca diversas alterações imunológicas, inclusive a inibição da formação de anticorpos. Por isso, ela predispõe a outras doenças.

O Governo dá prioridade para determinados grupos como os que têm imunidade baixa (idosos, crianças e portadores do vírus HIV) e grupos específicos, como os que trabalham na área da saúde. Os demais não recebem a vacina não por que não precisam, e sim porque o Governo não dispõe de recursos para vacinar 200 milhões de pessoas.

Todos devem se vacinar por conta própria.

Alergo ar - Qual a importância da vacinação para aqueles que não fazem parte do considerado "grupo de risco" e não têm direito à vacina gratuita oferecida pelo Ministério da Saúde? Quais os benefícios, caso estes se imunizem em uma clínica particular?

Dr. Zimmerman - Quando se fala em grupos de risco, deve-se entender como grupos de risco maior e grupos de risco menor. Todos correm riscos e, por isso, devem se vacinar. Ao inibir a defesa do indivíduo, a gripe predispõe o organismo a diversas infecções, que ele não teria desenvolvido se não tivesse contraído a gripe.

Podemos dizer que a gripe é uma doença grave, no entanto muito breve. Os surtos de gripes, que duram mais tempo, são muito mais mortais que os da gripe comum, que vemos com frequência. Se a gripe durasse mais tempo, ela causaria um grande número de mortes, como ocorreu na antiguidade, com gripe espanhola. Para evitar isso, há a imunização que a Medicina chama de "em rebanho". Se 20% da população for imunizada, o vírus não passa de um indivíduo para o outro com facilidade. Quando o vírus encontra uma pessoa imunizada, ele para e deixa de ser transmitido. Quanto mais ampla é a campanha, melhor é essa imunização.

Algumas clínicas particulares, como a Alergo ar, usam vacinas importadas, que têm menores chances de causar reações e oferecem mais imunidade. Elas são mais sofisticadas.

Alergo ar - O Ministério da Saúde aponta a vacina da gripe como a responsável pela queda de 60% na incidência dos casos de pneumonia. Como a gripe pode evoluir para a pneumonia?

Dr. Zimmerman - A gripe é altamente contagiosa e a pneumonia não. A pneumonia só é desenvolvida por quem está com a imunidade baixa, justamente o que a gripe provoca. Por exemplo, quem tem pneumonia pode beijar outra pessoa sem infectá-la, se esta estiver com a imunidade boa. Já no caso da gripe, o contato de um beijo transmite o vírus em 90% dos casos.

Como a gripe faz cair as defesas do organismo, todas as doenças latentes podem se manifestar, sejam elas virais ou bacterianas.

Alergo ar - A vacina deste ano também imuniza contra o vírus H1N1, que causou epidemia em 2009. Por que todo ano há uma vacina nova e por quanto tempo dura a imunidade?

Dr. Zimmerman - A imunidade da vacina dura por toda a vida, no entanto o vírus da gripe sofre mutações. As gripes deste ano não são causadas pelos mesmos vírus das gripes do ano passado. Como o vírus muda, a vacina tem que acompanhar e mudar também. A vacina deve ser tomada todos os anos, mas não é um reforço e sim uma nova imunização, que protege contra outros vírus.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) seleciona, a cada ano, os três principais vírus que causaram gripe no ano anterior no outro Hemisfério (no nosso caso, no Hemisfério Norte), para que estes façam parte da vacina. Este ano, uma das cepas incluídas na vacina contra gripe é o H1N1, que surgiu em 2009 causando mortes.

O H1N1 causou mortes porque o sistema imunológico nunca tinha visto aquele vírus. E nem mesmo a vacina do H1N1 será a mesma do ano passado. O gênero do vírus é o mesmo, mas a cepa é diferente e, para essa nova cepa de vírus, as pessoas não estão imunizadas.

Alergo ar - Para quem a vacina é contraindicada?

Dr. Zimmerman - A vacina não deve ser tomada por quem tem alergia à clara de ovo. Quem tem alergia à clara de ovo a percebe quando come um bolo, por exemplo. Se o indivíduo come a clara de ovo e alimentos que são compostos por ela e não sente nada, ele pode tomar a vacina. Quem teve uma infecção importante recentemente, como uma pneumonia ou uma hepatite, e os recém-operados não devem se vacinar.

O mesmo ocorre com quem está com febre, por exemplo. Estes não devem tomar nenhum tipo de vacina, pois a febre já estimula o sistema imunológico. O sistema imunológico pode ser comparado com um exército. Quando há uma infecção, ele trava uma batalha para derrotá-la. A vacina traz um novo alvo a ser combatido, por um exército que já está mobilizado, por isso a vacina não é indicada.

Alergo ar - Entre os mitos sobre os efeitos colaterais, estão incluídas a incidência de autismo e a intoxicação por mercúrio. Quais são os efeitos colaterais reais da vacina?

Dr. Zimmerman - Não há nada que prove a relação da vacina com a incidência de autismo e a intoxicação com o mercúrio. O mercúrio está contido no Timerosal, que era o conservante usado na maioria das vacinas. Hoje, ou ele não está mais presente ou se apresenta em quantidades tão pequenas que são incapazes de gerar qualquer reação. O correto é que não haja nenhum tipo de sintoma com a aplicação da vacina. Eventualmente, há a sensação de que se está resfriado, com febre baixa, dor de cabeça e dores no corpo. Isso acontece apenas em algumas pessoas, já que os sistemas imunológicos são diferentes.

Se pensarmos que os raros efeitos podem durar um ou dois dias, e que depois disso o indivíduo estará imunizado por um ano contra diversos vírus, inclusive o H1N1, que pode ser letal, o melhor é se vacinar.

Unidades: Centro | Madureira | Niterói | Tijuca. Consultas com hora marcada.
Central de Marcação de Consultas: (21) 3515-0808